O que você precisa saber antes de apreciar um vinho Brunello di Montalcino

A cepa tinta autóctone mais cultivada e importante da Itália é a sangiovese que pode produzir vinhos de nível mundial, de taninos suaves e granulados, de meio a muito encorpados, com sabores de cereja amarga, ervas e baunilha, entre eles, o icônico vinho Brunello di Montalcino, um dos mais famosos italianos. Ele é o único vinho com Determinação de Origem Controlada e Garantida (DOCG) toscano 100% sangiovese e o que mais precisa envelhecer: quatro anos obrigatórios, sendo pelo menos dois anos em barris de carvalho e quatro meses em garrafa e se for Riserva até seis meses em garrafa.

Uva Sangiovese

Essa uva domina praticamente toda a região central da Itália, mas é grandiosa na Toscana, nas regiões de Chianti, Brunello de Montalcino e Vino Nobile di Montepulciano. Ela produz vinhos de corpo médio a encorpado, secos, levemente picantes, com aromas e sabores de cereja amarga, especiarias, tabaco e ervas. Muito usada em associação com a cabernet sauvignon, os vinhos ganham a demoninação de “Super Toscanos”. Veja mais sobre o assunto em outro artigo do blog aqui. Como curiosidade: Sangiovese em Latim é Sanguis Jovis, ou seja, Sangue de Júpiter. Uma uva poderosa, rústica, versátil, elegante e cheia de complexidade aromática!

As Colinas Centrais foram o pivô do resnascimento do vinho nos anos de 1980, quando vinícolas modernas estabeleceram o padrão para toda a Itália. Atualmente, formam o distrito de maior prestígio na Toscana com as clássicas DOCGs que se utilizam da uva sangiovese: Brunello di Montalcino, Carmignano, Chianti e Vino Nobile di Montepulciano. Além de inúmeros produtores particulares de supertoscanos.

São cinco os pigmentos comuns presentes em toda uva chamados de antocianinas – delfinidina, cianidina, petunidina, peonidina e a malvidina – e a proporção de cada um deles é diferente dependendo da casta. Nesse caso, a uva sangiovese tem seus pigmentos não tão escuros e profundos devido a mais compostos genéticos de cianidina e peonidina, que oxidam mais facilmente dando uma cor mais alaranjada e menos escura. Por isso, o vinho tem essa tom de rubi intenso, mas não tão forte.

Para ser um Brunello deve-se usar 100% de uva sangiovese
Para ser um Brunello deve-se usar 100% de uva sangiovese

DOCG

Brunello di Montalcino é uma denominação toscana criada em 1982 originária de uma seleção de clones da sangiovese grosso. Um fazendeiro do século XIX, chamado Ferruccio Biondi Santi, selecionou as melhores mudas de suas terras e as propagou até criar um clone da cepa brunello (nome local da uva sangiovese) que quer dizer acastanhado, isso porque a casca da uva tem um pouco mais da cor marrom, capaz de fazer vinhos bem encorpados para longo envelhecimento. Você pode guardar o vinho no mínimo por 10 anos, na média por 30 anos e até no máximo 50 anos.

Desde a primeira garrafa em 1888 até os anos de 1950, o Brunello di Montalcino foi exclusivo da produtora dos Santi. A produção aumentou consideravelmente com a DOC em 1966, mas Biondi Santi continuou sendo o pai da denominação. O Consorcio de Brunello di Montalcino foi criado em 1967. Com a atualização dos padrões de vinificação e enorme crescimento dos vinhedos nos últimos 20 anos, uma nova geração de produtores nasceu e trouxe o status da marca que se tornou conhecida por todos. Afinal, esse vinho tem menos de 200 anos e já conquistou o paladar do mundo inteiro.

O gosto mudou muito desde àquele vinho mais mineral, seco e sem cor do passado para os estilos mais redondos, de cor intensa e frutados de hoje em dia. Esta é a DOCG com mais valor agregado da Toscana e uma boa safra possui como características rendimento máximo de uva por hectare porque se a videira produzir muitos frutos, eles tendem a ser menos complexos e os vinhos não serão tão aromáticos. Se a videira produz poucos frutos, então a complexidade é alcançada. Portanto, quanto mais velho o vinhedo for, menos frutos ele produz, assim vários vinhedos desta região são bem antigos, facilitanto o controle deste rendimento e aumentando a sua qualidade consequentemente.

Os vinhos Brunello di Montalcino pela lei da Toscana pedem mais tempo de envelhecimento e guarda antes de ser comercializados. Para seu lançamento no mercado, as regras exigem que o vinho seja colocado à venda após cinco anos da safra e no caso do Riserva após seis anos da safra. Seu teor alcoólico mínimo tem que ter 12,5%, mas muitos passam de 14%.

Os vinhos também são bem controlados pelas estrelas de como foi o clima do ano, como segue:

Então, os produtores podem conforme as condições do ano decidirem se irão ou não produzir o Brunello, mas aí podem optar por fazer apenas o vinho Rosso di Montalcino que é o irmão mais novo do Brunello porque não tem todas essas exigências para ser produzido e comercializado. Ele pode ser vendido após um ano da sua colheita. É um vinho mais jovem e mais fácil de ser adquirido. E ele foi criado para que o produtor não tenha que ficar esperando os cinco anos sem ganhar dinheiro.

Para fazer os vinhos Brunello existem duas formas: clássica e moderna. O estilo clássico utiliza o lagar de cimento, o estágio em barris de carvalho da Eslovênia, muito grandes de 500 hectolitros e depois na garrafa. No estilo moderno o vinho é envelhecido em barris de carvalho francês menores de 225l e após estagia em garrafa.

Vinhedos na região de Brunello di Montancino com uvas sangiovese
Vinhedos na região de Brunello di Montancino com uvas sangiovese

Toscana

Esta região italiana é dividida por duas áreas geográficas, a zona da costa do Mar Tirreno que se extende da província de Livorno, Grosseto até Lazio. E em seguida pelas Colinas Centrais que ocupa as províncias de Florença e Siena. No artigo sobre o vinho Chianti explicamos mais sobre as duas cidades, se quiser saber clique aqui.

Esses locais são mapeados por zonas DOC, com normas de produção próprias e cepas específicas e quem não se enquadra nestes padrões usa o sistema alternativo Indicação Geográfica Típica (IGT). O terroir é muito distinto devido o solo ser de marla arenosa-calcária, com variações de argila, pedras e minerais. Para a viticultura, os produtores preferem solos que contém argila comprimida em flocos chamada galestro e rocha calcária ocre conhecida como alberese.

A topografia também é bem característica com 1/5 de montanhas e 2/3 de colinas. Os vinhedos altos compartilham dos bosques e das oliveiras. A costa e arredores oferecem grandes espaços de terra plana e colinas suaves boas para os vinhedos. Os verões são bem quentes e secos, com outonos imprevisíveis com muitas chuvas.

Toscana tem o terroir ideal para a produção de Brunellos
Toscana tem o terroir ideal para a produção de Brunellos

Degustação

Ao se abrir um vinho Brunello di Montalcino recomenda-se ir para o decanter e deixar descansando por pelo menos uma hora, se possível deixe mais horas para ele arear bastante. É possível encontrar aromas bem rústicos aliado com a fruta devido à uva sangiovese. Sua cor é vermelho rubi mais opaco com halos extremamente acastanhados e presença de lágrimas bastante intensas devido ao alto teor alcoólico da bebida. No nariz encontra-se aromas de frutas vermelhas mais maduras, como se fosse geleia, menta, alcaçuz, especiarias doces e carvalho tostado por causa da grande complexidade e da passagem em barris de carvalho.

É um vinho para ser curtido devagar, tem uma acidez equilibrada e taninos macios. Harmonize com carnes de caça, cordeiro, costela, funghi, trufas, queijos pecorino e parmesão. Quando a ocasião pedir comemoração, festa, conquistas então nem pense demais, escolha abrir este vinho para marcar o momento com muita elegância e surpreenda seus convidados.

A taça para degustar um bom Brunello é a Bordeaux
A taça para degustar um bom Brunello é a Bordeaux

Oportunidade

A Wine Lovers possui dois exemplares destes preciosos e grandes vinhos italianos, comprove e divida esta experiência com todos.

Da vinícola Villa La Pagliaia, localizada na Toscana, mais precisamente na parte sul da região do Chianti Classico, na comuna de Castelo Novo Berardenga, distante 15km de Siena. Ela está rodeada da paisagem típica toscana com vinhas, olivais, bosques numa altitude de até 300m acima do nível do mar.

Seu vinho Brunello di Montalcino – DOCG com 100% sangiovese. Colheita manual. Fermentação malolática em aço inoxidável. Envelhecimento de 36 meses em barris de carvalho esloveno e descanso de 12 meses em garrafa. Vermelho rubi intenso. No nariz aromas de frutas maduras de bosque, geleia de amora, notas de tabaco e couro. Na boca sabor amplo, macio, persistente, com final de frutas em conserva. Ideal com carnes vermelhas, carnes de caça, pratos à base de javali e queijo pecorino curado.

Outro excelente vinho tinto é o Canneta Brunello di Montalcino – DOCG com 100% sangiovese grosso produzido pela vinícola Societá Agricola Canneta, na Toscana. Essa empresa nasceu no início dos anos de 1970, quando a família Gianelli começou a renovar as vinhas da pequena propriedade nas colinas de Florença, na área de Chianti. Os vinhedos cresceram desde lá e extendem-se por mais de 160 hectares. Em 1997, a família adquiriu a Podere Canneta, localizada em Montalcino e passou a produzir os famosos Brunello di Montalcino e Rosso di Montalcino. Em 2003, chegaram até a região de Maremma. A família ainda cuida de toda a produção e tem como missão respeitar o meio ambiente e a tradição da primeira fazenda. Todos garantem a autenticidade de seus produtos, com a marca da Toscana. Esse vinho em especial passa por colheita manual. É envelhecido no mínimo por 5 anos, sendo 3 anos de barris de carvalho francês. De cor vermelho rubi profundo. No nariz frutado com notas de frutas maduras. Na boca elegante e harmonioso, taninos leves. Combina com carnes de caça, carnes vermelhas grelhadas e queijos envelhecidos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *