Você conhece mesmo a uva carménère?

Existem mais de 5000 espécies de uvas tintas e brancas no mundo. Nossa quanta variedade para experimentar! Mas, algumas destas são mais importantes no mercado vitivinicultor. Entre elas está a uva tinta carménère que é muito famosa no Chile e atualmente pelo ponto de vista do marketing e da comunicação é a principal uva do país, mesmo ela não tendo nascido lá. Sabe de onde ela veio? Sua origem é francesa, mais precisamente em uma região chamada Médoc, que fica dentro de Bordeaux.

História

A uva carménère tem uma história diretamente relacionada com a Filoxera, que foi uma peste que acometeu os vinhedos europeus e dizimou um monte de uva nos anos de 1800. As grandes navegações já tinham acontecido e essa uva já tinha sido espalhada para alguns lugares do mundo, entre eles o Chile.

Então, ela chegou no país costeiro, foi cultivada e produzida só que não sabiam que essa uva era carménère porque suas folhas e características são muito parecidas com a uva merlot. Somente em 1994, quando uma missão francesa veio ao Chile com uma equipe de enólogos foi questionado que a uva que utilizavam não era merlot e que estavam cultivando uma outra uva que havia sido extinta lá chamada carménère.

Uva carménère, confundida com a merlot por suas semelhanças
Uva carménère, confundida com a merlot por suas semelhanças

Terroir

No Chile, os terroirs são definidos de acordo com os vales. Do Norte ao Sul do país tem várias regiões chamadas de vale, como por exemplo, Valle del Curicó, Valle del Maule. Valle del Maipo, Valle del Aconcágua, Valle del Colchagua, Valle de Casablanca, Valle do Cachapoal, etc. Quando é um vinho mais genérico, eles denominam no rótulo Valle Central. Quando um vale está em destaque, pode-se dizer que o vinho produzido tem uma procedência mais importante. O produtor está dizendo que o seu vinho veio de uvas plantadas em uma região específica e pertence a um determinado terroir.

A amplitude térmica da Cordilheira dos Andes é a chave para a produção de vinhos complexos, frutados, saborosos, expressivos e com distintos sabores. Ela que permite que durante o amadurecimento da uva conserve todos os sabores, aromas, a acidez, o frescor, os taninos de qualidade e suas texturas. A planta necessita de tempo para ir evoluindo e mostrando toda a sua especificidade.

A uva carménère típica tem muita riqueza aromática, pois é bem perfumada. Tem aromas de frutas, flores e toques herbáceos como ervas e grama. Tem riqueza de sabores na boca que pode ser encontrada em vinhos jovens, principalmente da América do Sul.

É uma uva de média intensidade, tanto no aroma quanto no sabor, por isso precisa ser harmonizada com uma comida nesse nível também como carnes vermelhas mais magras, caso do filé mignon, massas, frutos do mar com molho mais fortes, carregados em especiarias.

A uva carménère tem a virtude de ser bem versátil, pois tem intensidade alta de aromas e mediana de sabores, pouco tanino e uma estrutura mais leve de paladar. Portanto, de fácil harmonização em dias mais quentes, ocasiões mais descompromissadas com mesas de antepastos e petiscos.

Vales chilenos são ideais para o cultivo da uva carménère
Vales chilenos são ideais para o cultivo da uva carménère

Curiosidades

A exportação das primeiras garrafas do vinho da uva carménère no Chile aconteceu em 1996 e a safra de 1998, devido a um terremoto no país, que abalou muitas regiões produtoras, é considerada histórica. Pelas características do clima, solo aluvial com rochas vulcânicas e sua geologia as uvas que mais se adaptaram na região foram a carménère e a cabernet sauvignon.

Segundo o enólogo chileno Marcelo Retamal, o que temos que entender sobre o vinho, que é o básico, é de nunca brigar com a natureza. Se você lutar com a natureza, ela sempre vai ganhar de você. Em se tratando do que é principal em qualquer projeto e criação de um vinho figura a máxima: menos é mais. Assim deve ser, definitivamente. O que o enólogo deve fazer é colocar em uma taça a região, sua paisagem e seu povo. Vinhos sem muita intervenção que retratam fielmente as verdadeiras características de suas uvas.

Para o enólogo chileno Sebastián Ruiz, o posicionamento do vinho chileno no início da década de 1990, foi ocupar um espaço da parte varietal, com vinhos de entrada e mais básicos, para o dia a dia. E aos poucos os vinhos foram ganhando um status de premium, com vinhos gran reserva. Uma curiosidade é que a partir dos anos de 1950, a profissão de enólogo começa a ser incorporada pelas vinícolas, anteriormente seu trabalho era feito apenas por agricultores. O solo cumpre um papel muito importante para o alto potencial das uvas características como carménère, cabernet sauvignon e merlot. Os demais fatores como clima, declives, exposição solar contribuem também para que a vinícola se especialize em suas próprias variedades. O vinho é algo que está sempre evoluindo. A mudança climática também gera alterações, na microbiologia do solo, por exemplo. A elegância e a qualidade de um vinho está principalmente na boca, com taninos finos, textura, persistência, etc.

Amplitude térmica do Chile contribui para a qualidade de seus vinhedos
Amplitude térmica do Chile contribui para a qualidade de seus vinhedos

Recomendações Wine Lovers

A Wine Lovers, tem vários rótulos muito interessantes com a uva carménère para conhecer.

O vinho Santa Ema Select Terroir Reserva Carménère, da vinícola chilena Santa Ema, possui 100% carménère. Ideal para harmonizar com massas, guisados de vegetais e queijos.

 O vinho Montelig Super Premium, da vinícola chilena Von Siebenthal, é composto de um blend de 40% cabernet sauvignon, 30% carménère e 30% petit verdot. Combina muito bem com carne assada, caçarola de carnes, carnes vermelhas grelhadas e pratos com molhos cremosos.

O vinho Tricky Rabbit Reserva Cabernet Franc/Carménère, da vinícola chilena InVina, possui 60% cabernet franc e 40% carménère. Harmoniza bem com cordeiro, porco, queijos maduros e envelhecidos, além de massas.

O W of Paine Carménère, da vinícola chilena William Colle Vineyards, com 95,2% carménère e 4,8% carignan. Fica perfeito com massas de molhos leves e carnes brancas grelhadas.

Versatilidade para harmonizar pratos é uma das vantagens da uva carménère
Versatilidade para harmonizar pratos é uma das vantagens da uva carménère

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *